Por que usar partições separadas?

 

Ao instalar uma distribuição Linux, uma das principais decisões reside em simplesmente usar uma única partição para o sistema, ou usar partições separadas para os diretórios “/home”, “/boot”, “/var” e “/tmp”. O diretório “/home” é onde ficam, por padrão, armazenados os arquivos dos usuários. Em um desktop, o home é normalmente o que ocupa mais espaço, pois armazena seus arquivos de trabalho, músicas, filmes, downloads e assim por diante. Em um servidor, por outro lado, o diretório “/var” é normalmente o mais importante, pois é nele que são armazenados (por padrão) os sites hospedados, as bases de dados do MySQL e assim por diante, de forma que mantê-lo em uma partição separada garante uma maior flexibilidade ao reinstalar o sistema e ao fazer backups, além de trazer um pequeno ganho em termos de segurança. O diretório “/boot” contém a imagem do Kernel e o initrd, carregados no início do boot. Como estes arquivos não são modificados durante o uso normal do sistema, muitos preferem colocá-lo em uma partição separada, montada em modo somente-leitura, embora isso esteja saindo de moda. Continuando, temos também o diretório “/usr”, que é onde são instalados a maior parte dos aplicativos e das bibliotecas do sistema. Em um sistema Linux típico, todos os executáveis dos programas, são colocados dentro da pasta “/usr/bin”, as bibliotecas e arquivos compartilhados na pasta “/usr/lib”, código fonte de programas na “/usr/src” e documentação em geral na pasta “/usr/doc”. A pasta “/bin” fica reservada apenas a comandos básicos, como o “cd”, “ls”, “cat”, e assim por diante, enquanto a “/lib” fica reservada para os módulos do kernel e as bibliotecas básicas do sistema. Quase 90% do espaço ocupado pelo sistema logo depois da instalação consiste justamente nos arquivos do diretório “/usr”. Temos ainda o diretório “/tmp”, que muitos também preferem manter em uma partição separada. Os principais motivos são o controle mais completo sobre as permissões de acesso (evitando brechas de segurança causadas pela inclusão ou alteração de arquivos temporários) e também uma maior proteção contra a possibilidade de algum programa problemático (ou um usuário descuidado) salvar um grande volume de arquivos no diretório “/tmp” e acabar deixando o servidor sem espaço em disco.

Por Carlos E. Morimoto, retirado do Guia do Hardware.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: